Beto D’Ângelo, prefeito de Manacapuru, é acusado de superfaturamento de “Kit Humanitário”

O prefeito de Manacapuru, Betanael D’Ângelo (Republicanos), teria superfaturado contratos com seis empresas contratadas para fornecimento de produtos para compor o intitulado “kit humanitário”. Segundo investigação, os valores estão completamente acima da faixa de mercado, chegando passar dos R$ 7,2 milhões.

O Ministério Público de Contas do Amazonas (MPC-AM) é quem apura todo o caso, sendo também quem investiga uma das empresas contratadas pelo poder executivo de Manacapuru,  a J B Comércio e Serviços, que teria sido favorecida em licitações no município de Beruri.

Também foram as vencedoras do pregão presencial nº 015/2021, além da J B Comércio e Serviços, os estabelecimentos: Disbev Comércio de Bebidas e Eventos Ltda EPP; J R N S Comércio de Prod. Alimentícios Ltda ME, nome fantasia Supermercado Bastos; Delta Comércio de Prod. Alimentícios e Serv Cont Eireli, nome fantasia Delta Comércio; A Câmara de Oliveira Eireli EPP e Francisco Lino de Oliveira EPP, nome fantasia Supermercados Joia e Lino Empreendimentos.

Os estabelecimentos, todos sediados em Manacapuru, irão fornecer cada uma um dos seis itens do contrato para compor o “kit humanitário”, sendo: 8.178 cestas básicas; 8.178 kits de higiene pessoal com escova de dentes, creme dental e tolhas de banho; 8.178 kits dormitório com jogo de cama, travesseiro e colchão; 8.178 unidades de rede de dormir.

Além disso, o contrato prevê a compra de 40 mil unidades de água mineral de cinco litros e o aluguel de duas embarcações. De acordo com as informações que constam no despacho de homologação e na ata de extrato de preços publicados no Diário Oficial da Associação dos Municípios do Estado do Amazonas (AAM), o valor total aos cofres de Manacapuru será de R$ 7.257.994,22.

Também não fica claro nos documentos e contratos, para onde serão destinados os “kits humanitários” e como irá ocorrer a distribuição dos produtos.